1. Guia
  2. MS
  3. PONTA PORA
  4. Detalhes da cidade
Guia da cidade - PONTA PORA


Detalhes da cidade: PONTA PORA-MS


  • Cidade: PONTA PORA - Estado: MS
  • DDD: 67
  • Região: Dourados
  • População: 88.164 habitantes (Homens: 45% / Mulheres: 46%)
  • Homens: 39.789
  • Mulheres: 40.707
  • Total de domicílios: 23.099
  • Distância da capital (em km): 257
  • Área (km²): 53.286
  • Densidade demográfica: 151
  • Frota de veículos: 28.354
  • Indústrias: 417
  • Serviços: 1.756
  • Agronegócios: 81
  • Comércio: 2.242
  • Número de empresas: 4.496
  • Serviços de saúde: 57
  • Agências bancárias: 6
  • Educação: 55
  • Administração pública: 33
  • Atividades financeiras: 26
  • Correios e telecomunicações: 5
  • Transportes: 171
  • Alojamento: 29
  • Alimentação: 210
  • Comércio e reparo de veículos: 297
  • Serviços em geral: 867
  • Indústria extrativa: 2
  • Construção: 110
  • Reciclagem: 7
  • Eletricidade, gás e água: 13
  • Indústrias em geral: 285
  • Comércio atacadista: 459
  • Comércio varejista: 1.783


  • PONTA PORÃ MATO GROSSO DO SUL Monografia - n.º 252 Ano: 1962

    HISTÓRICO

    Foram silvícolas, das tribos Guaranis e Cuiás (Caa-i-vas = tomadores de mate), os primitivos habitantes da região.

    Pouco antes da guerra com o Paraguai, o Imperador Dom Pedro II, temendo possível invasão do território nacional, estabeleceu ali uma colônia militar, para garantir a fronteira e propiciar contato freqüente da região com a Capital do Império. A guarnição militar instalou-se na encosta da serra do Amambaí, sobre as cabeceiras do rio Dourados, sob o comando do Tenente Antônio João Ribeiro, natural de Poconé, que posteriormente pagou com a vida a bravura com que se destacou nos combates de fronteira. Mais tarde, perseguidos políticos, que haviam emigrado do Rio Grande do Sul para a Argentina e o Uruguai, atravessariam o Paraguai e penetrariam em território mato-grossense, fixando­se onde está hoje instalado o Município.

    O completo desbravamento da região verificou-se, todavia, em 1883, quando Tomaz Laranjeira estabeleceu o primeiro arranchamento à margem direita do rio Verde, distante oito léguas da atual sede municipal (de acordo com o Decreto Imperial n.° 8 799, de 9 de dezembro de 1882, que lhe concedia o privilégio de colher erva-mate na zona fronteiriça com a República do Paraguai, entre os marcos "Rincão do Júlio" e "Cabeceiras do Iguatemi"). O local teve, a princípio, o nome de "Nhu-verá", que foi substituído posteriormente por "Antônio João" e, finalmente, por "Ponta Porã".

    FORMA ADMINISTRATIVA

    DISTRITO subordinado a Nioaque e, mais tarde, a Bela Vista, Ponta Porã tornou-se município autônomo em 18 de julho de 1912, por fôrça do Decreto n.° 617, daquela data. O Decreto n.° 820, de 29 de outubro de 1920, deu foros de cidade a sede municipal.

    Várias vezes foi alterada a composição administrativa do Município. Em 1936 eram oito os distritos existentes: Ponta Porã, Antônio João, Cabeceira do Apa, Lagunita, Paranhos, Amambaí, Carapó e Patrimônio da União, a divisão correspondente ao ano de 1937 já não registra os três últimos; na que vigorou no qüinqüênio 1939/43 não figura Paranhos, aparecendo, porém, dois novos distritos: Patrimônio e União.

    O Decreto-lei n.° 5 812, de 13 de setembro de 1943, criou o Território Federal de Ponta Porã, formado do Município desse nome (onde foi instalada a Capital) e mais seis outros: Porto Martinho, Bela Vista, Dourados, Miranda, Nioaque e Maracaju. A capital foi transferida para Maracaju em 31 de maio de 1944 (Decreto-lei n.° 6 550), voltando a Ponta Porã em virtude de Decreto de 17 de junho de 1946. As Disposições Constitucionais Transitórias, promulgadas em 18 de setembro de 1946, extinguiram

    o referido Território, reincorporando a Mato Grosso os Municípios que o compunham.

    Segundo a divisão territorial do Estado, vigente no período 1949/53, o Município contava com apenas 4 distritos: Ponta Porã (sede), Bocajá, Cabeceira do Apa e Eugênio Penzo; posteriormente formaram-se mais três distritos: o de Rio Verde do Sul, criado pela Lei n.° 702, de 15 de dezembro de 1953, com terras desmembradas do distrito-sede; o de Sanga Puitã, também originado da sede, constituído a 17 de novembro de 1958, e o de Laguna Carapã, desmembrado de Bocajá, a 20 do mesmo mês e ano.

    Em 2007, o município conta com 3 unidades distritais: Cabeceira do Apa, Sanga Puitã e o distrito sede.

    Fonte: IBGE