1. Guia
  2. GO
  3. GOIANIA
  4. Detalhes da cidade
Guia da cidade - GOIANIA


Detalhes da cidade: GOIANIA-GO


  • Cidade: GOIANIA - Estado: GO
  • DDD: 62
  • Região: Goiânia
  • População: 1.448.639 habitantes (Homens: 44% / Mulheres: 48%)
  • Homens: 636.352
  • Mulheres: 698.143
  • Total de domicílios: 433.175
  • Distância da capital (em km): Não informado
  • Área (km²): 7.395
  • Densidade demográfica: 18.046
  • Frota de veículos: 969.289
  • Indústrias: 23.152
  • Serviços: 62.531
  • Agronegócios: 708
  • Comércio: 58.872
  • Número de empresas: 145.263
  • Serviços de saúde: 2.367
  • Agências bancárias: 221
  • Educação: 2.612
  • Administração pública: 288
  • Atividades financeiras: 2.042
  • Correios e telecomunicações: 304
  • Transportes: 3.232
  • Alojamento: 419
  • Alimentação: 9.656
  • Comércio e reparo de veículos: 9.988
  • Serviços em geral: 31.402
  • Indústria extrativa: 168
  • Construção: 5.423
  • Reciclagem: 166
  • Eletricidade, gás e água: 66
  • Indústrias em geral: 17.329
  • Comércio atacadista: 9.113
  • Comércio varejista: 49.759


  • Goiânia

    Goiás - GO

    A idéia da mudança da Capital do Estado surgiu da necessidade de localizá-la, de acordo com os interesses econômicos e sociais de todos os municípios goianos. A primeira Capital Goiana tinha sido escolhida, quando a Província era aurífera. Posteriormente, ficou demonstrado que a criação do gado e a agricultura passaram a ser fatores preponderantes no desenvolvimento.

    Legisladores sustentaram, por algum tempo, a idéia da mudança. A 1º de junho de 1891, os constituintes goianos oficializaram a idéia da transferência da Capital, no texto constitucional, ratificando-a na reforma de 1898, como na de 1918. A primeira Constituição Republicana, em seu texto definitivo, previa em seu art.5º: "A Cidade de Goiás continuará a ser a Capital do Estado, enquanto outra cousa não deliberar o Congresso".

    Vagamente abordada até 1930, a idéia mudancista só se firmou no governo de Pedro Ludovico que tomou a decisão de fazer a transferência para local mais apropriado.

    Em 1932, foi assinado o Decreto nº 2737, de 20 de dezembro, nomeando uma comissão que, sob a presidência de Dom Emanuel Gomes de Oliveira, então bispo de Goiás, escolhesse o local onde seria edificada a nova Capital do Estado. Instalados os trabalhos, a 3 de janeiro de 1933, o Coronel Antônio Pireneus de Souza, um de seus membros, sugeriu a escolha de três técnicos, ou seja, de João Argenta e Jerônimo Fleury Curado engenheiros, e de Laudelino Gomes de Almeida, médico, para realizarem os estudos das condições topográficas, hidrológicas e climáticas das localidades de Bonfim, hoje Silvânia; Pires do Rio Ubatan atualmente Egerineu Teixeira; e Campinas, hoje bairro goianiense, a fim de que, baseada no relatório dos técnicos a Comissão se manifestasse. O parecer foi favorável a Campinas, nas proximidades de Serrinha, situada na direção azimutal de 130 graus, ou, em caso de urgência, a Bonfim.

    Reunida em 4 de março de 1933, a Comissão concluiu pela escolha da região de Campinas, desde que não houvesse urgência na mudança.

    O relatório da Comissão, depois de submetido ao parecer dos engenheiros Armando Augusto de Godói, Benedito Neto de Velasco e Américo de Carvalho Ramos, foi encaminhado ao Chefe do Governo Estadual.

    Apesar da forte campanha antimudancista, ficou decidido que a Capital seria construída na região de Campinas.

    O Decreto nº 3359, de 18 de maio de 1933, determinou que a região, às margens do córrego Botafogo, compreendida pelas fazendas denominadas "Criméia", "Vaca Brava" e "Botafogo", no então Município de Campinas, fosse escolhida para nela ser edificada a Nova Capital do Estado. Entre outras medidas, enumerava o ato que a transferência se operasse no prazo máximo de dois anos.

    Designado o dia 27 de maio de 1933, para início dos trabalhos de preparo do terreno, a 24 de outubro do mesmo ano houve o lançamento da pedra fundamental, no local onde está o Palácio do Governo.

    Dois anos depois, pelo Decreto nº 327, de 2 de agosto de 1935, organizou-se o Município de Nova Capital, que recebeu o topônimo de Goiânia, sugerido pelo Professor Alfredo de Faria Castro. A 20 de novembro de 1935 instalou-se o Município e, a 13 de dezembro de 1935, foi assinado o primeiro Decreto, que recebeu o nº 560 e determinava a transferência da Secretaria Geral, Secretaria do Governo e Casa Militar para a Nova Metrópole. Posteriormente, foram transferidas a Diretoria Geral da Segurança Pública e a Campanhia de Polícia Militar (1935), e a Diretoria Geral da Fazenda (1936).

    Finalmente, em 23 de março de 1937, foi assinado o Decreto nº 1816, transferindo definitivamente a Capital Estadual da Cidade de Goiás para a de Goiânia.

    O Batismo Cultural só ocorreu a 5 de julho de 1942, em solenidade oficial realizada no recinto do Cine-Teatro Goiânia, com a presença de representantes do Presidente da República, Governadores dos Estados e dos Ministros, além de outras autoridades e de caravanas de todos os Município Goianos. Na ocasião, realizaram-se o 8º Congresso Brasileiro de Educação e a Assembléia-Geral do Conselho Nacional de Geografia e do Conselho Nacional de Estatística, órgãos do IBGE.

    Gentílico: goianiense

    Formação Administrativa

    Elevado à categoria de município com a denominação de Goiânia, criado com territórios dos extintos municípios de Campinas e Hidrolândia, pelo decreto estadual nº 327, de 02-08-1935, desmembrado dos municípios de Anápolis, Bela Vista de Goiás e Trindade. Sede na Cidade de Goiás. Constituído de 3 distritos: Goiás, Campinas e Hidrolândia. Instalado em 13-12-1935.

    A cidade de Goiânia ficou localizada em território do antigo município de Campinas.

    Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, o município aparece constituído de 6 distritos: (Goiânia), Campinas, Aparecida, Hidrolândia, São Geraldo e São Sebastião do Ribeirão.

    Pelo decreto estadual nº 1816, de 23-03-1937, transfere a capital do estado do município de Goiás para a Goiânia.

    Pelo decreto-lei estadual nº 557, de 30 de março de 1938, o distrito de São Sebastião do Ribeiro passou a denominar-se simplesmente Ribeirão, ex-São Antônio do Ribeirão, sob a mesma lei é extinto o distrito de Campinas, sendo seu território anexado ao município de Goiânia, como simples zona administrativa.

    Pelo decreto-lei estadual nº 1233, de 31-10-1938, o município teve seu território acrescido pelo do extinto município de Trindade, sob a mesma lei é extinto o distrito de Aparecida, sendo seu território anexado ao distrito sede de Goiânia.

    No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município é constituído de 5 distritos: Goiânia (Capital), Hidrolândia, Ribeirão, São Geraldo e Trindade.

    Pelo decreto-lei estadual nº 8305, de 31-12-1943, desmembra do município de Goiânia o distrito de Trindade. Elevado á categoria de município, sob a mesma lei o distrito de Hidrolândia passou a denominar-se Grimpas, São Geraldo a chamar-se Goianira e Ribeirão tomou a denominação de Guapó.

    Pela lei estadual nº 171, de 08-10-1948, desmembra do município de Goiânia o distrito de Guapó. Elevado à categoria de município.

    Pela lei estadual nº 223, de 05-10-1948, desmembra do município de Goiânia o distrito de Grimpas elevado à categoria de município coma denominação de Hidrolândia.

    Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 2 distritos: Goiânia e Goianira.

    Pela lei municipal nº 239, de 31-03-1953 é criado o distrito de Senador Canedo ex-povoado, desmembrado do distrito sede de Goiânia e anexado ao município de Goiânia.

    Pela lei estadual nº 2363, de 09-12-1958, desmembra do município de Goiânia o distrito de Goianira. Elevado á categoria de município.

    Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 2 distritos: Goiânia e Senador Canedo.

    Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1983.

    Pela lei estadual nº 10435, de 09-01-1988, desmembra do município de Goiânia o distrito de Senador Canedo. Elevado à categoria de município.

    Pelo decreto nº 666, de 05-06-1990, é criado o distrito de Abadia de Goiás e anexado ao município de Goiânia.

    Em divisão territorial datada de 1-VI-1995, o município é constituído de 2 distritos: Goiânia e Abadia de Goiás.

    Pela lei estadual nº 12799, de 27-12-1995, desmembrado do município de Goiânia o distrito de Abadia de Goiás. Elevado à categoria de município.

    Pela lei nº de 7257, de 17-11-1993, é criado o distrito de Vila Rica e anexado ao município de Goiânia.

    Em divisão territorial datada de 2003, o município é constituído de 2 distritos: Goiânia e Vila Rica.

    Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

    Fonte: IBGE

    Data de atualização: 27/04/2011